sábado, abril 09, 2005

A caixinha de surpresas da minha avó

Fui jantar a casa da minha avó, hábito quatidiano, mas recente.
Depois de jantarmos fomos para a sala a tempo de vermos o resto do telejornal (janta-se cedo por lá) e trocar meia dúzia de palavras como é costume, banalidades do dia-a-dia que não fazem conversa nenhuma.
Mas hoje foi diferente. Hoje, a minha avó disse mais do que meia dúzia de palavras, hoje sentei-me no sofá e nem olhei paraa televisão.
Falou daquele homem alto, de figura imponente, não sisudo, mas de poucos sorrisos, não antipatico, mas de poucas palavras, que usava sempre chapéu, que me dava sacos de rebuçados e a quem eu cumprimentava com dois beijos quando lhe dava os "bons dias" nas semanas de férias que passava por lá.
A minha avó falou-me do marido dela, do amigo de infância que aos quinze anos se apaixonou por ela, e que a visitava frequentemente durante quatro anos levando-lhe bugigangas que comprava por aqui e por ali (e que estão, ainda hoje, religiosamente guardadas numa caixa de cartão) até ela aceitar finalmente o compromisso de namorar com ele.
Falou-me do homem que encontrava, muitas vezes, a olhar para a fotografia dela e que lhe dizia "por esta mulher eu ia ao fim do mundo!".
O homem alto, de figura imponente, não sisudo,mas de poucos sorrisos, derretia-se sempre que abraçava a mulher, do homem que desfilava nas ruas da Foz, com a mulher envolvida nos braços dando-lhe beijos, enquanto os filhos ainda pequenos se entretinham com a areia e a agua salgada, não se importando com os olhares alheios que muitas vezes reprovavam tais actos!
Hoje, a minha avó, abriu uma caixa de surpresas, mostrou-me o homem alto, de figura imponente,não sisudo, mas de poucos sorrisos...falou-me do meu avô, um homem ternurento, meigo, preocupado e dedicado à mulher e aos filhos...um homem que eu desconhecia.

16 Comments:

Blogger Der Uberlende said...

Certa vez um filósofo terá dito que "um desconhecido é apenas alguém que ainda não tivemos a oportunidade de conhecer". Acredito que dentro de cada um de nós haverá uma caixa de surpresas ... ou de Pandora. Durante a nossa vida conhecemos centenas, ou mesmo milhares de pessoas (pensem só na quantidade de colegas de escola que já tiveram) e o que terá ficado da maior parte delas? Memorias vagas, histórias mal contadas, opiniões circunstanciais e pouco mais do que nada. Nós somos essas memórias, histórias, opiniões e "nadas" para essas mesmas pessoas, e no entanto estamos certos de que teriamos muito para lhes contar. Caminhamos num limbo de compromisso psico-social entre o "conhece-te a ti próprio" e o "vê-te nos olhos dos outros". E amanhã, quem se lembrará de nós?

domingo abr 10, 12:48:00 da manhã 2005  
Blogger Du said...

Oieeeeeeee!!!!

Desculpe ter desaparecido...
Mas é que aconteceu tanta coisa...
LOL
Nem vale a pena comentar...
O fato é que minha vida está para mudar...
Mudar MUITO! ;)
hehe...
Sabe aqueles momentos em que você se dá conta de algo?
Tipo...
Como se fosse um "click"?
Pois é...
Sinto o click se formar...
E eu preciso me concentrar pra não deixar ele passar despercebido... :)

Mas que a mudança seja lenta...
Pois sese for muito rápida, vai levar muito tempo pra acontecer...

(tirei isso, feito uma pequena adaptação, de uma música que eu gosto muito...)

A propósito, sábado que vem devo estar aportando em terras lusitanas... ;)

LOL

10 dias...
10 dias que vão mudar o mundo...

Será que eu estou sendo muito pretensioso????

Não...

10 dias que vão mudar o mundo...

Como o amor de um homem por uma mulher podem mudar o mundo...

é...
lol

Tá... já falei demais...
Mas é pra matar a saudades...

Gostei muito desse texto...

Sabe... Eu amo minha esposa...
E olha que ainda nem sou casado...
LOL
E pra falar a verdade, ainda sequer dei o primeiro beijo nela... ;)
LOL

Mas é isso mesmo... A exemplo desse homem de poucos sorrisos e poucas palavras, mas que não era sisudo e tão pouco antipático, e que se derretia ao abraçar a mulher, assim sou eu...

Amo...
Desde que descobri o que era amar...
E amo a mesma mulher ddesde então...
E quando olhar nos olhos delas e puder dizer que a amo, ela vai sentir o quanto eu a amei todos esses anos...

O quanto eu a esperei...

LOL

Hoje... Tá lasqueira... LOL
Mas o que é pra ser é...

Tava com saudix! LOL

Adoro seus textos, de verdade... Você tem uma sensibilidade pra escrever que me espanta... :)

Até logo mais...

Que as próximas semanas serão cruciais para o destino do mundo... ;)

Ass.: Du "Quase Megalomaníaco" Homens de Pedra.

LOL

domingo abr 10, 01:53:00 da manhã 2005  
Blogger Du said...

Vixe... Esse foi longo... Pra compensar a ausência. ;) LOL
Beijos!!!!

domingo abr 10, 01:54:00 da manhã 2005  
Blogger impressaodigital said...

adorei!!! :) eu tava com saudadinhas!! :)

seja bem vindo a terras lusitanas (kando cá chegares) e que sortuda é essa mulher que por certo vai ficar (ainda mais) arrebatada!!!

domingo abr 10, 02:31:00 da manhã 2005  
Blogger Nandita said...

é muito bom poder desvendar o passado.
conhecer as histórias daqueles que não conhecemos ou conhecemos mal, mas que tomaram parte na construção daquilo que somos.

aproveita essas horas, ana joao...
eu lamento não as ter aproveitado todas. uma das conversas mais serias sobre o passado que eu tive com a minha avó aconteceu um dia antes dela ter o AVC que a atirou para a cama, sem falar nem andar... por isso falo-te com experiencia propria.

Fica bem

domingo abr 10, 10:59:00 da manhã 2005  
Blogger João Martinho said...

:')

domingo abr 10, 01:48:00 da tarde 2005  
Blogger Sozinho... said...

A ideia que temos das pessoas mais velhas é quase sempre diferente da verdadeira realidade. Pensamos sempre que os nossos avós foram aquelas pessoas cuja vida foi completamente "sem sabor". Contudo, ao chegar o momento em que nos é revelada a sua verdadeira vida ficamos estupefactos, pois tal como nós, também eles viveram um turbilhão de emoções, experiências e também como nós eles amaram e amam de forma verdadeiramente frenética e intensa!
Adoro os meus avós e apenas tenho pena de não poder estar mais tempo com eles...
Aproveita mesmo muito bem todo o tempo que tiveres com a tua avó porque vão ser esses bocadinhos todos que vão ficar presentes para o resto da tua vida...
beijinho :)

domingo abr 10, 01:50:00 da tarde 2005  
Blogger Lemon said...

Boas

perdi o meu querido Avô paterno há 2 anos.

Felizmente recordo todos os momentos que passei com ele, a sua figura que apesar dos frágeis 80 e alguns anos mantinha uma família unida, os seus sábios conselhos, as suas licões, o seu infindável carinho e afecto...

Recordo tudo, com muitas saudades e as vezes umas lágrimas. Tenho pena de o ter começado a compreender demasiado tarde. Quem educou centenas de meninos e homens, sabia claro, o que fazia. Sinto especialmente falta das longas conversas que tinhamos, do seu sublime sentido de humor e da sua capacidade de se rir com o meu. De como sempre nos olhou e protegeu, o que aposto os dedos com que trabalho que continua a fazer.

Tenho muitas saudades do meu querido Avô. E do tempo em que estava aqui tão perto. Resta-me aproveitar o tempo que me resta com a minha Avó, pois é a última que tenho.

Aproveita-o também moça!!!

Abraços e Beijinhos!!!

domingo abr 10, 04:34:00 da tarde 2005  
Anonymous Menina_marota said...

Guardo do único avô que conheci, o Paterno, uma imagem de um homem de olhar terno, de mãos calejadas, de andar no campo e um sorriso doce.

Gostei dele. Ainda gosto.

Um abraço. Gostei muito da caixinha da tua avó. :-)

domingo abr 10, 05:33:00 da tarde 2005  
Anonymous DLM said...

não te escondas no silencio.
continua.

domingo abr 10, 07:24:00 da tarde 2005  
Blogger lima said...

Homem não sisudo e de muitas palavras me saíu o du de pedra. Mas falou bem. Falou como homem que ama e disso não tem medo. Como o teu avô.

Adoro-vos!

Beijo.

domingo abr 10, 10:10:00 da tarde 2005  
Blogger André Ferreira said...

Do meu avô que melhor conheci guardo a imagem dum senhor de chapéu que o levantava da cabeça quando por alguém passava e cujo grande amor eram as árvores. Não falava muito nem comigo nem com o meu pai mas acredito que uma pessoa que gostava tanto de árvores só podia ser boa pessoa.
Talvez a idade nos torne mais silenciosos, eu próprio sempre fui bastante silencioso, provavelmente vou continuar a sê-lo!
Beijinhos

segunda abr 11, 02:06:00 da manhã 2005  
Blogger Cakau said...

Há muito que não comentava por aqui...

Grandes revelações as que tiveste sobre o teu avô. Eu tive a oportunidade de conhecer o meu tal como ele era. Mas há sempre segredos que ficam guardados numa caixa. E essa eu nunca a descobri.

Beijinho e boa semana * :)

terça abr 12, 11:43:00 da manhã 2005  
Blogger ovelha_negra said...

Excelente texto. Por vezes, há histórias escondidas por trás das banalidades habituais. Basta saber ouvi-las, basta ter coragem para as contar. Fico feliz por teres partilhado com os teus leitores esta história fantástica.

Ana Paula

terça abr 12, 06:25:00 da tarde 2005  
Blogger contadordehistorias said...

Hoje a tua avó falou-te um pouco mais de quem és...

beijos

terça abr 12, 09:23:00 da tarde 2005  
Blogger Paula said...

A suavidade que foi entrando nos meus poros através das tuas palavras, é simplesmente genial...

Que mais resta dizer, se não que fiquei totalmente rendida...

http://divinadecadencia.blogspot.com/

quarta abr 13, 10:45:00 da tarde 2005  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home